terça-feira, 17 de março de 2020

Melhores Cachaças IV Ranking da Cúpula da Cachaça

O “Ranking Cúpula da Cachaça” teve início no primeiro semestre de 2014, quando as doze pessoas que formam a Cúpula da Cachaça, buscando uma forma de valorizar o destilado que é patrimônio brasileiro, criaram o concurso.
Após receber apoio da mídia, cobertura de centenas de veículos nacionais e internacionais, fazer com que a cachaça tivesse uma visibilidade sem igual nos meios de comunicação e receber o apoio do Ministério da Agricultura, se deram conta que o projeto havia dado certo.

Como funciona o “Ranking Cúpula da Cachaça”?

Primeiramente é importante ressaltar que os produtores não participam da organização do evento e somente as cachaças legalizadas podem participar.
O concurso é divido em 3 fases, que são nomeadas pelos organizadores de: fermentação, destilação e degustação.
primeira etapa é a de fermentação, ou a do voto popular. Nessa etapa a votação aconteceu online para todos os consumidores de cachaça, e atraiu mais de 33 mil de votantes. O objetivo era de classificar 250 cachaças para irem para a segunda etapa.
Assim chegamos na segunda etapa, fase da destilação ou seleção dos especialistas. O objetivo dessa etapa é escolher entre as 250 cachaças mais queridas do Brasil. Apenas as 50 melhores que passarão para a terceira e última fase!
Essa etapa conta com o apoio de 40 especialistas apaixonados pela Cachaça, entre eles o CEO da Cachaçaria Nacional, Rafael Araújo, que já visitou mais de 60 alambiques pelo Brasil, e degustou mais de 500 rótulos de cachaça!
Os jurados tiveram até o dia 25 de janeiro para entregar suas indicações para a organização do evento.
Posteriormente, a terceira etapa, fase da degustação ou “Cúpula da Cachaça”. Essa etapa é composta pelos 12 integrantes da cúpula, que irão degustar os 50 rótulos selecionados anteriormente e através de uma degustação às cegas deverão ranquear as “melhores cachaças do mundo, em 3 categorias, e eleger a Cachaça do Ano.”
Os jurados elegeram 5 melhores Cachaças em 3 categorias:
  • As Cachaças que não passam por madeira;
  • Cachaças armazenadas e envelhecidas;
  • Cachaças premium e extra-premium.
O resultado foi divulgado no dia 13 de março pelo Jornal Estadão (SP).

Confira abaixo a lista das melhores Cachaças, segundo a Cúpula da Cachaça:

Melhores Cachaças – Categoria Inox

1º Tiê Prata – Aiuruoca/MG (72,74 pontos)
2º Bem Me Quer Prata – Pitangui/MG (69,89 pontos)
3º Sanhaçu Origem – Chã Grande/PE (69,33 pontos)
4º Colombina Cristal – Alvinópolis/MG (69,21 pontos)
5º Século XVIII (Rótulo Azul)- Cel. Xavier Chaves/MG (68,79 pontos)

Melhores Cachaças – Categoria Envelhecida

1º Leblon Signature Merlet – Patos de Minas/MG (85,74 pontos)
2º Middas Reserva dos Proprietários – Adamantina/SP (84,46 pontos)
3º Do Anjo – Santa Rita de Caldas/MG (83,28 pontos)
4º Canarinha – Salinas/MG (83,25 pontos)
5º Mineiriana Envelhecida Carvalho – Itabira/MG (82,34 pontos)

Categoria Premium/Extra Premium

1º Companheira Envelhecida 8 anos – Jandaia do Sul/PR (90,63 pontos)
2º Caraçuipe Extra Premium – Campo Grande/AL (90,09 pontos)
3º Sapucaia 18 Anos – Pirassununca/SP (85,47 pontos)
4º Dom Bré Extra Premium Carvalho – Guarani/MG (85,07 pontos)
5º Casa Bucco Extra Premium – Bento Gonçalves/RS (82,80 pontos)
Sugerimos que você viva a experiência de degustar e fazer a análise sensorial de algum dos rótulos acima, afinal, quem não quer beber uma das melhores Cachaças de 2020?

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

[ANÁLISE SENSORIAL] Cachaça Prosa Mineira - ClubeCN - Fev/2020


No mês de Fevereiro/2020 a Cachaça eleita para ser estrela do ClubeCN foi a Cachaça Prosa Mineira! 

Em 2016 tivemos a honra de proporcionar aos nossos sócios a experiência de receber em casa duas Cachaças incríveis desse rótulo mais premiado do Brasil.

Porém, dessa vez o alambique surpreendeu ainda mais com dois blends feitos com exclusividade para os nossos sócios! 

CACHAÇA PROSA MINEIRA
BLEND EXCLUSIVO


  Origem: Santa Rita de Caldas/MG
 Madeira: Carvalho e Amburana
 Envelhecimento: 18 meses
 Grad. Alcoólica: 39%
 Volume: 500ml


CACHAÇA PROSA MINEIRA

BLEND EXCLUSIVO

  Origem: Santa Rita de Caldas/MG
 Madeira: Bálsamo e Louro Canela
 Envelhecimento: 18 meses
 Grad. Alcoólica: 39%
 Volume: 500ml




Os parceiros, cachaça-hunters da Cachaçaria Nacional e autores do Livro Segredos da Cachaça fizeram uma análise sensorial completa sobre essas duas exclusividades. Vale a pena conferir: 





Já conhece o ClubeCN? O Maior Clube de Amantes de Cachaça do Brasil oferece 10% de Desconto em qualquer compra na Cachaçaria Nacional além de receber grandes marcas mensalmente em sua casa! Conheça mais vantagens de ser assinante do ClubeCN:




Como disse anteriormente, em 2016 a Cachaçaria Nacional esteve em Santa Rita de Caldas/MG para visitar o alambique da Cachaça Prosa Mineira, e agora, em 2020 voltamos e foi interessante perceber as mudanças e evoluções que ocorreram por lá. Os proprietários e produtores, Rodrigo Lopes e Denis Machado nos receberam e nos levaram para conhecer o alambique!


“Cachaça boa é Cachaça do Coração” (Rodrigo Lopes)


No blog da Cachaçaria Nacional disponibilizamos um texto completo sobre a história do alambique e sobre como se deu o surgimento dos dois blends, não deixe de conferir! CLIQUE AQUI. 

Comenta aqui o que você achou. E se você teve a honra de degustar esses blends exclusivos compartilha sua análise sensorial também! 

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Cachaça Margô pioneira em cachaças envelhecidas em teca


Começar 2020 visitando o Engenho Jatobá em Sales de Oliveira/SP significou começar o ano com o pé direito.

Conhecer o processo de fabricação da cachaça e a história do alambique sempre é uma experiência enriquecedora. Mas quando a história do alambique começa com uma boa história de família não tem como não se entreter.

Os protagonistas dessa história de herança e laços familiares são Fernando e Aloisio Margarido, irmãos, proprietários e fundadores da Cachaça Margô, que fez parte da primeira seleção de 2020 do ClubeCN.

Fomos recebidos pelo Fernando, que nos apresentou o alambique e compartilhou conosco a história da sua família.


O espaço que hoje produz Cachaça antes era uma fábrica de goiabada, e o Sr. Edimilson que trabalhou nessa fábrica ainda continua trabalhando por lá, mas agora ele é um dos grandes responsáveis pela produção e o mestre alambiqueiro.


Assim como eu, você deve estar se perguntando: Como uma fábrica de goiabada se transformou em um alambique?

Os irmãos queriam realizar o sonho do pai: produzir cachaça na propriedade. Mas a realização do sonho ia muito além de simplesmente produzir, ele queria manter viva a tradição da família Margarido que sempre prezou por degustar uma dose de Cachaça religiosamente antes do almoço e ao final da tarde.

O alambique ainda é de pequeno porte. Produzem 4.000 litros do destilado por ano, mas não pensem que isso é um problema. Pelo contrário, esse é o segredo da qualidade. Pois assim, Jatobá e Edimilson, grandes responsáveis pela produção, conseguem ter maior controle das etapas e do produto final que estão distribuindo aos apreciadores de Cachaça do Brasil! 
Na fazenda eles também prezam pela preservação ambiental, e tive a honra de conhecer uma plantação de Árvore de Bálsamo. Para quem não sabe, muitas Cachaças são envelhecidas em barris dessa madeira!

Algo que me chamou atenção e despertou a curiosidade é que o alambique está produzindo Cachaça envelhecida em madeira de teca. Essa é uma grande novidade no mercado, e promete surpreender o paladar dos degustadores. Tive a honra de experimentar essa exclusividade do Engenho Jatobá.



Se você ficou curioso para degustar a Cachaça produzida em Teca, não se preocupe! Ela estará no mercado ainda no primeiro semestre deste ano com distribuição exclusiva da Cachaçaria Nacional.

Na conversa que tive com o Fernando (assista ao vídeo completo davisita), ele nos contou também o motivo do nome Margô, e se engana quem acha que o nome é para homenagear alguma mulher. 

Fui embora de Sales de Oliveira/SP tendo a certeza que estou no caminho certo, e que estou cumprindo o meu dever de entregar o melhor da Cachaça Artesanal de Alambique para os sócios do ClubeCN e para os cachaceiros espalhados pelo mundo. 
Assista abaixo o vídeo da visita à Cachaça Margô que gravamos para o Canal da Cachaçaria Nacional no youtube:


Um brinde! #bebacachaça

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Viagem à Cachaça Rainha da Cana

As andanças por este Brasil afora em busca de preciosidades no mundo da Cachaça, me trazem surpresas em absolutamente TODAS os engenhos que visito. 

Como falo em todos os posts, nenhum alambique é igual a outro.

Cada um tem seu modo de produzir, suas particularidades, sua estrutura e claro, histórias. 

E esta é uma história de superação, de vontade e de realização. Os protagonistas são Joventino e sua família que fundaram a Cachaça Rainha da Cana.

Elas foram selecionadas para o ClubeCN, o clube de assinaturas da Cachaçaria Nacional e por isso planejamos e realizamos a visita para filmar e levar a experiência de estar no alambique aos associados. Ao mesmo tempo, as visitas também servem para conhecer mais de perto a produção, além de estreitar os laços tanto comerciais, quanto de pessoais com os produtores.

Geralmente vamos às 4 da manhã quando viajamos para cidades em que temos que ir e voltar no mesmo dia. Então partimos em direção ao distrito de Abreus, no município de Alto do Rio Doce em Minas Gerais. Distante 230 Km aproximadamente de Belo Horizonte-MG, sede da Cachaçaria Nacional, pegamos a rodovia 040, passando pelos municípios de Conselheiro Lafaiete e Barbacena. Nesta altura, seguimos pela rodovia estadual MG280 até o destino final.


Rafael Araújo e Pedro Henrique


Já na entrada da fazenda, nos deparamos com uma bela estrutura, preparada para nos receber e quem mais for apaixonado por Cachaça. Pedro foi o anfitrião. Ele é a 4ª geração da família e está à frente do negócio com o seu pai Epitácio e sua irmã Ana Laura. 




Entrada da loja e fábrica


Epitácio e Rafael Araújo
Pedro foi quem nos acompanhou por todo o alambique, mostrou toda a impecável produção e estrutura e pude acompanhar a paixão com que toda o negócio. Tenho certeza que irá longe, pois reúne várias características de boas práticas como empresário e visão mercadológica e de marketing.








Já na lojinha da fazenda, seu pai Epitácio nos contou toda a história desde a fundação da marca desde os anos 50 até os dias atuais.












Eles preservam várias partes da sua história, desde os primeiros rótulos após o registro de fato das marcas que já tiveram, até alguns barris bem antigos. Este na foto é um super barril de carvalho americano que já foi usado para armazenar cerveja. 









Este da foto ao lado é o senhor Luis. Ele está na fazenda e na produção firme e forte a mais de 50 anos e agora 2 filhos já trabalham também na produção.
















Hoje em dia já possuem maquinários que otimizam bastante o trabalho desde o envase até a rotulação.




Eles também apostaram em bebidas mistas, com mais de 32 sabores, apostando no público mais jovem e já são sucesso de vendas pelo Brasil inclusive na Cachaçaria Nacional. (Conheça a linha de bebidas mista da Cachaça Rainha da Cana)

bebida mista de milho verde da Rainha da Cana é a sensação e já representa 40% das vendas de bebida mista.


Eles contam com a consultoria da Professora Maria das Graças, uma das maiores especialistas de Cachaças do Brasil. Ela, por sorte deles, é irmã do Epitácio, ou seja, membra da família. Já tive a honra de entrevistá-la e conhecer o seu trabalho na UFLA, Universidade Federal de Lavras. É simplesmente fenomenal e vale assistir (ver vídeo da visita).

Depois de toda a visita, fomos brindados com um delicioso almoço na residência da matriarca da família. Fui embora com a certeza de entregar o que há de melhor da Cachaça Artesanal de Alambique para os sócios do ClubeCN

Registramos todos os passos e a história COMPLETA em um maravilhoso vídeo que você pode conferir agora.

Assista abaixo o vídeo da visita à Cachaça Rainha da Cana que eu gravei para o Canal da Cachaçaria Nacional no youtube:





Um brinde! #bebacachaça

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Caipirinha conquista o coração dos Ingleses


A bebida típica brasileira, a Caipirinha, ganha festival exclusivo em Londres

Que a Caipirinha é uma bebida deliciosa todos nós sabemos, parece simples fazê-la, é só cortar alguns limões, uma boa Cachaça, açúcar e é claro gelo. Porém com o passar dos anos a Caipirinha ganhou diversas variações e os bartenders que se prezam, jamais revelam o segredo de sua Caipirinha.
Devido a esses segredos o drink mais famoso do Brasil cai no gosto do mundo, e terá um evento exclusivo em Londres, na Inglaterra, com o intuito de promover a cultura e gastronomia da bebida brasileira mais famosa do país a Cachaça. O London Caipirinha Festival terá sua primeira edição acontecendo entre os dias 5 e 17 de setembro, e em sua programação haverá premiações para o melhor bar, melhor restaurante, a melhor Cachaça, melhor Caipirinhadentre diversas outras categorias.
As eleições serão através de voto popular, que será feita pelo site ou nos estabelecimentos que estiverem participando do evento. O propósito deste magnifico evento é divulgar a importância da Cachaça, valorizando o sua serventia na economia, que já vimos ser um item importante para exportação e vem ganhando cada vez mais os mercados de diversos países.
Registrado como um evento que jamais ocorreu no Reino Unido, o London Caipirinha Festival traz a alegria festiva dos brasileiros para os ingleses.
Ficou curioso ? Para saber mais sobre o evento basta acessar o site oficial e ficar por dentro de sua programação.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

"Uma Boa Ideia" vence a crise que serve cerca de 9 milhões de doses por dia

A Companhia Müller, dona da "Boa Ideia", líder do mercado nacional e de exportações, acredita que cachaça premium é a oportunidade de vencer a crise


A segunda bebida mais consumida no país, é 100% nacional e paixão do brasileiro, a Cachaça perde apenas para cerveja se tratando em consumo no Brasil. A bebida Brasileira ganhou o coração dos europeus e fez com que crescesse o número de exportações. Com aproximadamente 12.000 produtores do no Brasil a produção chega perto dos 800 milhões de litros anuais. Porém consta pouco mais de 2.000 estabelecimentos registrados no Ministério de Agricultura e Receita Federal e com aproximadamente 4.000 marcas disponíveis para venda.

Muito conhecida por seu bordão publicitário criado nos anos 70 “Uma Boa Ideia” a Cachaça 51, da fabricante Companhia Müller de Bebidas, é sucesso no Brasil e vem ganhando o público europeu, sendo responsável por 40% de toda Cachaça consumida na Espanha e 50% de toda bebida vendida nas terras de Cabral (Portugal). A Cachaça 51 bebida tropical líder de venda no Brasil, que é servida muitas das vezes em doses puras e drinks, como por exemplo a famosa caipirinha, também é líder em diversos outros países da Europa, foi considerada a maior produtora em seu seguimento.

Apesar de estarmos em um momento onde há um grande declínio mercadológico em geral, a “marvada” está segurando as pontas e registra uma queda de apenas 3,5% ao ano. Seguindo em contramão as quedas, segundo o Instituto Brasileiro da Cachaça (Ibrac) a Cachaça 51 cresceu cerca de 14% o seu volume de exportações, chegando a atender um mercado superior a 50 países. Devido a este crescimento a Companhia Müller de Bebidas crê nos planos de vendas internacionais, sendo criado um produto especial para exportação, na qual sua graduação alcoólica foi alterada de 39% da Cachaça 51 nacional para 40%, sendo destilada 100% com produtos nacionais e sem adição de açúcar.

A Cachaça 51 com uma rede extensa com mais de um milhão de pontos de vendas, bares, restaurantes, botecos, padarias e quiosques na praia, serve cerca de 9 milhões de doses de Cachaça 51 por dia, sendo 374 mil por hora, 6.230 por minuto e 103 por segundo.

Mesmo com o alto consumo dos produtos tradicionais os Müllers veem a importância dos produtos premium, são produtos mais qualificados, com um alto nível de sofisticação, criada a 8 anos a linha Reserva 51, a Cachaça passa por um processo de envelhecimento em média de 4-5 anos em toneis de carvalho tem ganhado vez gosto do consumidor.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Cachaça é do Brasil e Tequila é do México

 DSC_0491.JPG


A cachaça e a tequila agora terão proteção plena de propriedade e qualidade na comercialização nos dois países


Ligadas diretamente às culturas do Brasil e do México, a cachaça e a tequila agora terão proteção plena de propriedade e qualidade na comercialização nos dois países. Acordo assinado pelo presidente Michel Temer reconhece as duas bebidas como indicações geográficas e produtos distintivos dos dois países.

O acordo estabelece que toda bebida vendida no Brasil com o nome de tequila será de fabricação mexicana, assim como toda cachaça vendida no mercado mexicano deverá ter sido fabricada no Brasil.

Desde 2015, Brasil e México fazem tratativas sobre a proteção recíproca da cachaça e da tequila na relação bilateral. Com a assinatura do acordo, a qualidade e a procedência das bebidas nos dois países serão atestadas conforme procedimentos tradicionais e passarão a ser controlados e supervisionados pelas autoridades competentes de cada país.

As tratativas estavam em andamento há alguns anos, mas a partir de junho de 2014 o processo recebeu atenção do governo, a partir da renovação de um convênio firmado entre o IBRAC (Instituto Brasileiro da Cachaça) e o Conselho Regulador de Tequila (Crt).

Segundo o IBRAC, as exportações de cachaça não passam de 1% do volume produzido e isto deve estimular o setor a aumentar os investimentos no mercado mexicano. Além disso, o acordo também deve impedir o uso da denominação "cachaça" por produtores de outros países.

Em 2015, o México exportou mais de 180 milhões de litros para mais de 120 países, enquanto o Brasil exportou pouco mais de sete milhões de litros do destilado para 61 países. Deste total, apenas 0,54% do total exportado foi para o México, de acordo com o IBRAC.

Para o presidente da Confraria Paulista da Cachaça, Alexandre Bertin, o governo está buscando alternativas para ajudar a área econômica e as exportações de Cachaça têm muito potencial. “É uma atitude acertada. Esse acordo ajudará os produtores a atingirem outros mercados e a gerar resultados positivos para a cadeia como um todo”.
Mercado da Cachaça

O faturamento do setor cachaceiro alcançou R$5,95 bilhões em 2013, quando foram produzidos 511,54 milhões de litros da bebida, de acordo com o Sistema de Controle da Produção de Bebidas da Receita Federal – SICOBE, responsável por controlar a produção das principais empresas formais do setor.

De acordo com o Instituto Brasileiro da CachaçaIBRAC, são 40 mil produtores e 4 mil marcas de cachaça no mercado nacional alocadas, principalmente, nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Minas Gerais e Paraíba.

O IBRAC estima que a capacidade instalada no Brasil é de 1,2 bilhões de litros/ano. A Cachaça é a segunda bebida mais consumida no país, perdendo somente para a cerveja, que é uma bebida fermentada. Entre as bebidas destiladas, detém preferência absoluta entre os brasileiros.

Seu consumo é quase 5 vezes maior que o do whisky (348 milhões de litros) e da vodca (270 milhões de litros). O Brasil possui capacidade instalada de produção de 1,2 bilhão de litros anuais, sendo 70% cachaça industrial e 30% cachaça artesanal (alambique). Atualmente, são mais de 40 mil produtores (5 mil marcas), sendo que as micro-empresas representam 99% deste universo.

Um case de sucesso do mercado da bebida é a Cachaça Seleta, que conquistou a liderança no mercado mundial de Cachaças artesanais pelo gosto forte e persistente. É armazenada em tonéis de Amburana e conta com processo de fermentação natural, sendo o fermento a base de fubá de milho.


IMG_9624
Rafael Araújo - Co-fundador da Cachaçaria Nacional



“Com tantas opções de qualidade, os consumidores terão cada vez mais a possibilidade de melhores experiências sensoriais com a Cachaça, já que poderão comprar mais rótulos e descobrir a riqueza dos sabores”, declara Rafael Araujo, Co-Founder da Cachaçaria Nacional. A empresa é a maior loja de Cachaças Online do mundo e oferece mais de 1000 rótulos de Cachaças artesanais de alambiques das principais regiões produtoras do Brasil, além de acessórios para degustação, barris/dornas e linha gourmet.


Outros dados importantes são sobre o aumento das exportações da bebida em 2016. Segundo informações divulgadas pelo IBRAC, as exportações de Cachaça cresceram 4,62% em valor e 7,87% em volume, totalizando US$ 13,93 milhões e 8,3 milhões de litros. Mais de 60 países já consomem o “ouro líquido brasileiro”, especialmente Alemanha, EUA e Paraguai.
Notícia Expressa
(11) 2311-0484 | noticiaexpressa.com.br